Friday, September 30, 2016

2° festival Erotic Burlesque em São Paulo

Message to my international little swans: This post in Portuguese only. I apologize, babies! But don't worry, posts with English translation will still happen! 



Little swans, hoje o post é uma super dica para fãs de burlesque que estarão em São Paulo no próximo fim de semana! No dia 9 de outubro acontecerá a segunda edição do festival Erotic Burlesque, e eu não estarei presente, mas se você puder ir, será uma excelente opção para curtir a sexta-feira e se divertir com muito glamour e sensualidade! Além das apresentações, vocês também vão poder conferir stands de lojas, como o sex shop DarkRoom. 
Pois é, eu infelizmente não estarei lá, nem na platéia nem no line-up, quem sabe ano que vem, se tudo der certo ;) mas apoiar o burlesque brasileiro é importante, pois somos uma cena nova por aqui que aos poucos está se tornando popular!

Local: Café Aurora, rua 13 de Maio, 112, Bela Vista, São Paulo/SP, das 16 às 22h
Ingressos: R$30,00 até 4 de outubro, adquira pelo email festivaleroticburlesque@gmail.com ou no Dominatrix Augusta, Rua Fernando de Albuquerque, 171, Consolação - SP. R$35 no dia do evento, no local. R$32 online pelo Pagseguro aqui

Isso é tudo, pessoal! Chamem seus amigos para embarcar nessa noite burlesca! Beijos!

Saturday, September 24, 2016

22 verdades sobre o estilo de vida vintage / 22 facts about the vintage lifestyle

Aviso: Esse post é longo e tem muitos gifs! Pode demorar a carregar.
Warning: This post is long and has a lot of gifs! It may take a while to load. 

Olá little swans! Esse post é "estilo Buzzfeed"; organizei 22 verdades (dramas) sobre ser vintagista e viver um estilo de vida vintage. Se você é um vintage lover, provavelmente vai se identificar com quase tudo dessa lista:
Hello little swans! This post is in "Buzzfeed style"; I've organized 22 facts (dramas) about being a vintagist and living a vintage lifestyle. If you're a vintage lover, will probably relate to almost everything on this list: 

1. Tudo é muito caro /
Everything is so expensive


Roupas, mobília, objetos, acessórios de toucador, colecionáveis... Você se pergunta porque escolheu um estilo de vida tão caro.
Clothes, furniture, objects, dressing table accessories, collectibles... You wonder why you chose such an expensive lifestyle. 

Thursday, September 8, 2016

Desmistificando o Tabu by Dana (1932)

Message to my international little swans: This post in Portuguese only. I apologize, babies! But don't worry, posts with English translation will still happen! 


Ah, Tabu. O famigerado, polêmico e também odiado Tabu by Dana (ou Tabu de Dana, chamem como quiser). O motivo de eu estar fazendo esse post somente em português é que nos EUA ele não teve metade das polêmicas que no Brasil (por isso eu amo a Huelândia!). É uma resenha, mas também não é (aposto que estão cansados de tantas resenhas, eu sei que fiz muitas recentemente, porém não posso deixar de falar desse perfume recém-adquirido).
Vamos começar nossa história lá em 1932, que foi o ano em que o Tabu foi lançado no mercado. Essa fragrância foi criada por ninguém menos que Jean Carles, o mesmo perfumista do amado (e caríssimo) Miss Dior, hoje vendido com outra fórmula e essência (MEH). O Tabu foi um dos favoritos de Ava Gardner, de quem eu sou fã. Então, como um perfume criado por um perfumista tão importante e amado por uma das mulheres mais bonitas e talentosas da Old Hollywood (que inclusive foi casada com Frank Sinatra) pôde ter sido tão odiado e hoje tem um espaço minúsculo nas prateleiras de mercados e farmácias? Pra início de conversa, a Dana, marca espanhola fundada pro Javier Serra, encomendou com Carles "um perfume que prostitutas usariam". O conceito é bem chocante pra época, não? Mas naquele tempo, o My Sin de Lanvin estava bombando e ele também tem essa "vibe safada" (e não vamos nem comentar sobre a Marilyn vinte anos depois dizendo que na cama usa apenas algumas gotas de Chanel N° 5, né?). Era tendência perfume que remetia a sexo e luxúria. Além disso, a Dana apostou em propagandas provocativas que apareciam em grandes revistas, vendendo como uma "fragrância proibida" e tendo como assinatura o quadro "A Sonata a Kreutzer" de René François Xavier Prinet, baseado em um romance erótico russo. 

 Resultado de imagem para tabu by dana ad

Resultado de imagem para tabu by dana ad  Resultado de imagem para tabu by dana ad
Clique para ampliar

No entanto, a ideia não foi muito bem vista por aqui. É verdade que prostitutas gostavam do Tabu, mas não foi só isso que manchou a imagem do perfume no Brasil. As pessoas usavam ele em quantidade exagerada, e cá entre nós, qualquer perfume, seja um Givenchy ou um Avon, é ruim se usado de forma errada. Logo, se tornou sinônimo de mal gosto e vulgaridade e vítima da ideia de que o barato não presta. Acredito que as mulheres conservadoras da época até gostavam, mas não admitiam só porque era "proibido". 
Anos se passaram, e enquanto o Tabu ganhou até batom com embalagem 2 em 1 lá fora (o perfume vinha junto com a bala), nas terras brasileiras ele foi fadado a ser esquecido. Nos Estados Unidos, ainda é possível encontrá-lo naquela lindíssima embalagem de violino e recentemente ganhou uma versão "Rose" com atomizador retrô e tudo, e aqui... A linha é bem completa, tem desodorante, talco e até brilhantina (!), também tem flankers (Flores, Romance e Segredos), mas morre um pouco a cada dia abandonado nas prateleiras. Passou por reformulações e dizem que o atual brasileiro é bastante diluído e o frasco não é lá essa maravilha toda, mesmo mantendo a estética art deco. O site é decadente comparado ao dos EUA (quem mais sentiu estar visitando um site de 2005 aí?) e o comercial, no mínimo, duvidoso. Triste, porém verdade. 

Quem mais consegue perceber o que ela transmite nas duas expressões?

Agora vamos falar sobre as minhas conclusões. Me interessei pelo Tabu ao pesquisar sobre ele. Não sei porque, mas toda a história de que "cheira a cabaré" não me pareceu horrível, só me fascinou ainda mais. É difícil opinar quando se sente o perfume no frasco, já que ali qualquer perfume é álcool puro. Pelo talco, pude ter uma ideia melhor e acabei levando os dois. Não consegui achar o perfume por menos de R$10 onde eu moro (vi quem conseguiu por R$4 na Armarinho Fernandes, mas não sou de São Paulo, então comprei num supermercado próximo a minha casa) e o talco foi R$5 (comentário off-topic: aproveitei e comprei sabonetes da Alma de Flores pra reencher meu estoque. Não sei mais viver sem!). O frasco é beeeeem menor do que imaginei, mas 60ml por 10 conto dá pro gasto. Chegando em casa, abri achando que a fragrância iria impregnar no meu quarto (porque segundo vários blogs, é uma bomba) e... Nada aconteceu. Cheirei várias vezes tentando achar o horror que todo mundo comenta sobre e não consegui. Pra mim, era mais um cheirinho vintage que eu iria usar com prazer... Ou era porque meu nariz é forte e por isso não achei terrível.
Depois do banho, fui lá passar umas gotinhas. De novo, não consegui achar forte. A minha mãe, que tem um nariz SUPER sensível e odeia perfume, não achou forte e disse que antigamente era bem mais, mas não matava. Se a fragrância é sensual? Sim. Vulgar? Hm... Não. Não consegui pensar em prostituta ou cabaré, só na Ava Gardner mesmo. Então notei que lembra incenso de rosas, que é meu favorito. E finalmente compreendi que com "prostituta", Dana quis dizer uma mulher provocante; não que eu concorde que toda mulher provocante é uma prostituta (ideia absurda) mas dá pra compreender a mensagem que foi passada à Carles. Abaixo as notas - em negrito, as que eu achei bem perceptíveis e as em itálico são as que eu não consegui sentir.

Notas de saída: laranja, especiarias, neróli, bergamota, coentro.

Notas de coração: cravo (especiaria), jasmim, ylang-ylang, rosas, narciso.
Notas de fundo: sândalo, âmbar, patchouli, almíscar, civeta (sintética), bezoim, musgo-de-carvalho, vetiver, cedro.



O talco me deixou perplexa porque veio pela metade. Eu não sei se dei azar em pegar um que caiu metade do produto na viagem ou se é assim mesmo. Porém, eu fiquei surpresa ao perceber que ele tem praticamente o mesmo cheiro do pó Airspun da Coty (resenha aqui)! Se você ficou curioso quanto ao cheiro que mencionei na resenha, pode ir em algum supermercado ou farmácia que tenha o talco Tabu e dar uma fungada, porque é quase a mesma coisa! A única diferença é que tem as notas do perfume junto. 

Considerações finais: Eu sinceramente não acredito que mesmo que passem a investir em um marketing bom para o Tabu ele vá voltar a ter seus dias de glória. Não está dentro do padrão de perfume que vende atualmente e tenho certeza que a Dana brasileira compreende que o público dela hoje em dia são idosos e, quem sabe, vintagistas como eu e colecionadores de perfume. Se você é amante e estudante da cultura retrô, e gosta do Charisma, Topaze, Chanel N°5 e outros clássicos, com certeza vai adorar o Tabu e conseguir imaginar Ava Gardner ficando cheirosa com ele. Mas se você não curte essências orientais, florais, amadeiradas e animálicos, ou prefere algo mais doce e suave, não chegue perto. É possível que quem entende e aprecia as tendências de perfume do século 20 não conseguirá achá-lo uma "bomba" - bomba, pra mim, é aquela desgraça chamada Angel de Thierry Mugler, que além de ser caro e ter embalagem cafona, tem caramelo, mel, baunilha, algodão doce e chocolate nas notas. Aí é só levar ao forno e tá pronto! Me julguem, mas eu não gosto de cheirar à festinha de criança (cheiro à "espírito adolescente" mas confeiteiro nunca!) e passo longe de perfume doce. Também evito frutais, eu no máximo gosto de limão, bergamota e pêssego. Sim, com isso estou dizendo que sou muito mais o Tabu de R$10, que apesar de ter sido alvo de preconceito, é uma relíquia perfeita para criar uma atmosfera suavemente sensual. Com certeza vou esfregar uma gota no pulso antes de entrar no palco para performar burlesque. 
Pra finalizar, pretendo adquirir o Romance em breve, ele é bem suave, levemente frutal e melhor para ser usado no dia-a-dia. Também quero a brilhantina só por ser brilhantina. Nem sei se vou usar, mas ter descoberto isso, sendo vintagista fanática, foi como um pirata encontrando o baú do tesouro e vai ficar lindo na minha penteadeira (pode ser que seja útil pra fazer victory rolls? Não sei, quando eu comprar eu resenho). Antes de encerrar, volto a dizer: se não entende ou não gosta do tipo de perfume que era moda em 1932, Tabu vai ser péssimo, e não é pelo preço ou suas polêmicas. Espero um dia ter a sorte de conseguir um vintage original. 

Isso é tudo, pessoal! Alguém aí usa o Tabu? Já tinha ouvido alguma das polêmicas antes? Deixe um comentário dizendo o que acha! XOXO

Clique aqui para visitar meu perfil no Fragrantica